Topo da página

Pesquisa

Conteúdo do site

Coluna do centro

Solos

Classificações Técnicas

Classificação técnica ou interpretativa consiste da previsão do comportamento dos solos sob manejos específicos e sob certas condições ambientais (STEELE, 1967 apud PRADO, 1996). É, normalmente, baseada em interpretação de estudos básicos (levantamentos taxonômicos) de solos (BRASIL,1973; CAMARGO et al., 1987; EMBRAPA, 1999). Trabalhos executados pela Funceme cobriram as três principais classificações interpretativas, que são: capacidade de uso do solo, aptidão agrícola das terras e classificação das terras para fins de irrigação.

• Capacidade de Uso do Solo
• Aptidão Agrícola das Terras
• Classificação de Terras para Irrigação
• Bibliografia Recomendada

 

Capacidade de Uso do Solo

Este sistema foi desenvolvido, originalmente, pelo Serviço Nacional de Conservação do Solo dos Estados Unidos. Relaciona-se, estreitamente, com aspectos de conservação de solos, onde as potencialidades, destes, são analisadas, com maior ênfase, em suas limitações. Considera que o nível de manejo deve ser médio ou alto e é recomendado para locais que possuem levantamento pedológico detalhado ou semi-detalhado (PRADO, 1996).

 

Aptidão Agrícola das Terras

Este sistema, desenvolvido por RAMALHO FILHO et al. (1978), tem a finalidade de fornecer a aptidão agrícola das terras, fundamentada no seu melhor uso. São considerados três níveis de manejo e quatro classes de aptidão. É recomendado para locais onde se necessita de um planejamento agrícola regional e trabalhos de zoneamento agrícola. É indicado para locais que possuam estudos de solos em níveis generalizados, de reconhecimento ou exploratório (PRADO, 1996).

 

Classificação de Terras para Irrigação

Esta classificação técnica é feita, primordialmente, para a obtenção de informações necessárias à delimitação de terras em áreas de classes aptas para a irrigação, eliminando as áreas inaptas, nas condições econômicas prevalentes. Necessita da análise e avaliação de suas características físicas e químicas, incluindo as características do solo e os aspectos topográficos e de drenagem, além de um grande volume de dados adicionais relativos à agronomia, economia e engenharia (CARTER,1998), exigindo-se, para o seu uso, levantamentos pedológicos semi-detalhados ou, preferencialmente, detalhados, principalmente se for área de várzea (PRADO, 1996).

 

Caracterização de classes e representação cartográfica, por unidades "dominantes" e "participativas".

 

 

 

Parte dos problemas no entendimento das questões relativas a solos, de interesse agrícola, associa-se a dificuldade na identificação destes, o que repercute, diretamente, na definição de sua vocação, manejo e orientação à conservação / preservação ambiental. Em nossa região, a complexidade geológica com predomínio de embasamento cristalino - a significativa variação no "modelado" do terreno, associados a um ambiente, tipicamente, semi-árido, resultaram em grande heterogeneidade, complexidade no arranjamento e variação dos solos. Neste cenário, à falta de informações mais detalhadas e buscando-se facilitar a compreensão do tema e, desse modo, auxiliar o planejamento e tomada de decisões ao uso agrícola, é apresentada a caracterização dos solos do Estado do Ceará, com representação cartográfica "desagregada", resultando em maior visibilidade e compreensão.

 

Nos cartogramas, cada classe de solo foi ilustrada em dois grupos: unidades dominantes e unidades participativas. O primeiro grupo corresponde às unidades de mapeamento em que o solo em representação figura em primeiro lugar na associação, significando ter mais importância sob o ponto de vista de extensão. Nas unidades participativas, o solo em descrição é contribuinte, predominantemente, secundário, terciário e/ou de quarta ordem, em outras unidades de mapeamento, figurando como segundo e/ou terceiro e/ou quarto componente das associações.

 

 

 

 

 

Explicação da Legenda:


a. Os símbolos (siglas) relativos às unidades de mapeamento de solos deverão ser impressos na cor preta, excetuando-se o estabelecido nos itens b e c, abaixo relacionados;
b. Símbolo em vermelho indica que a classe de solo representada em primeiro lugar na associação, também constitui 2º e/ou 3º e/ou 4º componente, na unidade de mapeamento de solo;
c. Símbolo em azul indica que uma mesma classe de solo constitui 2º e/ou 3º e/ou 4º componente na associação, sendo diferente da classe representada em primeiro lugar, na unidade de mapeamento de solo;
d. Símbolo em mostarda (específica para os Solonchak-Solonetzico / Solos Indiscriminados de Mangues) indica que o segundo componente da associação constitui, na representação, o primeiro componente em unidade de mapeamento diferente.

 

Representação Cartográfica por Classe de Solos

• Latossolos

• Podzólicos Vermelho-Amarelo

• Podzólicos Vermelho-Amarelo Eutrófico

• Bruno Não Cálcico

• Planossolos

• Litólicos

 

Coluna direita

Previsão para Fortaleza

 ◄◄  ◄  ►►  ► 
DEZEMBRO 2017
Seg Ter Qua Qui Sex Sab Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Voltar ao topo da página

Rodapé da página

Avenida Rui Barbosa, 1246, Aldeota - Fortaleza/CE - CEP.: 60.115-221

Fone: (85) 3101.1088 - Fax: (85) 3101.1093 - Email: funceme@funceme.br

Copyright © 2014 - Governo do Estado do Ceará. Todos os direitos reservados